Estudos da UEG sobre fungos são destaque no V Prêmio SBPC/GO de Popularização da Ciência

Estudantes da Universidade Estadual de Goiás (UEG) tiveram trabalhos científicos premiados no V Prêmio da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC|GO) de Popularização da Ciência – edição 2018. Além de incentivar e premiar os pesquisadores de diferentes áreas, o prêmio reconhece pesquisas de caráter inovador que possuem relevância social, ou seja, que valorizam a produção do conhecimento científico que traz contribuições diretas para a sociedade.

orelha de pauA UEG se sobressaiu na área de Ciências Biológicas, sendo contemplada com o 1º, 2º, 3º, 5º e 6º lugares da premiação. Os trabalhos vencedores são de estudantes vinculados ao mestrado ou doutorado do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais do Cerrado (RENAC), do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências (PPEC) e egresso do curso de Ciências Biológicas.

Os trabalhos dos pesquisadores que conquistaram as duas primeiras colocações na área de Ciências Biológicas são vinculados a projetos apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), seja por meio de fomento à pesquisa ou à bolsa de doutorado. “Esse resultado ressalta a importância da contribuição da Fapeg na produção do conhecimento científico no Estado de Goiás e em promover a aproximação desse conhecimento à população em geral”, diz a professora Solange Xavier dos Santos, do Laboratório de Micologia Básica, Aplicada e Divulgação Científica da UEG (FungiLab).

As Orelhas-de-Pau do Parque Estadual da Serra de Caldas Novas: uma biodiversidade ameaçada pela fragmentação do Cerrado foi o grande vencedor na área de ciências biológicas, desenvolvido por Lucas Leonardo da Silva. O trabalho vencedor em segundo lugar foi Fungos coprófilos: amigos das fezes, amigos da natureza, de Francisco Júnior Simões Calaça. Este trabalho é vinculado à sua pesquisa selecionada na Chamada Pública 3/2018 da Fapeg, de Bolsas de Mestrado e Doutorado, que pretende realizar a caracterização ecológica (diversidade, riqueza, abundância etc), funcional e biotecnológica de fungos coprófilos pertencentes ao filo Ascomycota em fezes de animais herbívoros coletadas em diferentes localidades da Região Centro-Oeste do Brasil, como forma de contribuir com a caracterização e conservação do grupo no país, além de verificar seu potencial biotecnológico na produção de insumos voltados para o tratamento de água e efluentes ou una produção de novos antibióticos.

 Vejo o quadro abaixo:

(Foto: Divulgação | UEG)

Os trabalhos da UEG premiados foram desenvolvidos no FungiLab, coordenado pela professora Solange Xavier dos Santos. Ela explica que, além de orientar o desenvolvimento das pesquisas, tem preparado seus alunos para transmitir o conhecimento científico para o público leigo:

“No nosso laboratório sempre procuro incentivar a equipe a incluir nos seus trabalhos um viés para a popularização da ciência. Ou seja, praticar o exercício de se fazer a transposição dos relatos de suas pesquisas para o público em geral. O que nem sempre é uma tarefa fácil, pois estamos acostumados a nos comunicar com a comunidade científica, numa linguagem técnica, conforme os padrões exigidos pelos periódicos científicos, onde os trabalhos são publicados”.

Em relação ao prêmio, Solange pontua que a conquista estimula os estudantes, ressalta a contribuição da UEG no desenvolvimento da pesquisa no estado de Goiás e faz com que a universidade se aproxime e seja mais reconhecida pela população em geral.

Outro ponto positivo é que o prêmio revela que Goiás tem colaborado de forma significativa para pesquisas na área de Micologia, que é o estudo dos fungos.

“Esse resultado contribuiu para a divulgação do conhecimento sobre os fungos, que são seres vivos pouco representados nos estudos de biodiversidade, já que esses estudos, na maioria das vezes, se restringem às plantas e aos animais, deixando no anonimato uma imensidão de espécies e sua grande relevância para a manutenção do equilíbrio dos ecossistemas”, declara.

Contribuição direta para a sociedade

projeto v premio popularização da cienciaOutro trabalho premiado foi desenvolvido pelos estudantes Wemerton Martins, Lorraine Silva e Diogo Geraldo da Silva Guedes do curso de Educação Física do Câmpus Faculdade do Esporte Eseffego ficou em segundo lugar na área das Ciências Humanas e Sociais. Intitulado “Práticas corporais de aventura: Possibilidade de ensino da escalada nas aulas de educação física escolar no ensino fundamental”, o estudo tem importância na medida em que contribui para a melhoria da prática pedagógica dos professores de educação física dentro das escolas.

Para professor Gabriel Carvalho Bungenstab, orientador do estudo, o prêmio SBPC mostra como é significativo os estudantes estarem envolvidos em projetos de pesquisas na universidade, uma vez que é a partir deles que trabalhos como o que foi premiado são desenvolvidos.

O professor acentua que essas iniciativas também são importantes porque os alunos podem compreender, de maneira crítica, que todo conhecimento produzido por eles no âmbito acadêmico tem impactos para/na sociedade. “Muitas vezes os discentes não conseguem ver diretamente os resultados de suas pesquisas e o prêmio concedido pela SBPC também é uma maneira de incentiva-los a continuarem produzindo, sobretudo, reafirmando a importância que a ciência tem para a sociedade”.

Premiação

Os trabalhos vencedores do V Prêmio de Popularização da Ciência da Secretaria Regional da SBPC/GO serão agraciados com um diploma de mérito que será entregue em cerimônia, durante a realização de evento promovido pela Secretaria Regional da SBPC.

O evento deve ocorrer ainda este ano (não há data definida ainda). Além do diploma de mérito, os trabalhos científicos vencedores serão publicados como capítulo de livro que será produzido pelo SBPC em 2019.

Veja a lista com todos os premiados na quinta edição do Prêmio da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC|GO) de Popularização da Ciência – edição 2018.

 CeCom UEG com alterações

Posted in Notícias, Notícias FAPEG.