INCT em Ecologia, Evolução e Conservação da Biodiversidade realiza primeira reunião de trabalho

Print Friendly, PDF & Email

Presidente da Fapeg, Maria Zaira Turchi, durante abertura da reunião, na UFG. Foto: Ana Fortunato / Ascom UFG.

O Instituto de Ciências Biológicas I, da Universidade Federal de Goiás (ICB-UFG), sediou nesta segunda-feira, dia 5, a abertura da 1ª Reunião de Planejamento do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Ecologia, Evolução e Conservação da Biodiversidade (INCT-EECBio). O projeto é um dos contemplados em Goiás, por meio do fomento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) e de outras entidades, e reúne especialistas de excelência de diversas localizações do País nas principais áreas de pesquisa relacionadas ao tema. A presidente da Fapeg, Maria Zaira Turchi, esteve presente na abertura da Reunião, juntamente com demais autoridades e pesquisadores.

O INCT é o maior programa brasileiro na área de CT&I e conta com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e das Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs). A Fapeg é co-financiadora e disponibilizou recursos na ordem de R$3,5 milhões para este INCT-EECBio. No estado também foi aprovado o INCT de Estratégias de Interação Patógenos-Hospedeiros, com recursos no valor de R$ 2 milhões.

Segundo a presidente da Fapeg, Zaira Turchi, ter dois INCTS aprovados é motivo de orgulho para o estado e para a Fundação, que está sempre em busca de apoiar pesquisas nas diferentes áreas do conhecimento. “Ter uma Fundação consolidada com capacidade de apoiar o INCT foi decisiva na escolha final, após aprovação de mérito. Tenho a certeza do trabalho que resultará em dados e indicadores, que poderão ser utilizados por pesquisadores, sendo referência para agências, governos e instituições conectadas com as grandes questões do mundo”, ressaltou.

A pró-reitora de Pesquisa e Inovação da UFG, Maria Clorinda Soares Fioravanti, enalteceu a importância da Fapeg para a aprovação destes projetos do INCT. “A Fapeg honrou o compromisso e garantiu que hoje tenhamos dois INCTs. É um orgulho para Goiás”, afirmou. Ela ainda destacou que essa conquista é fruto de um processo construído com financiamento contínuo e regular e lembrou que os editais do Programa de Apoio a Núcleos de Emergência (Pronex) e da Rede Pró Centro-Oeste, que também receberam fomento da Fapeg, foram de extrema importância para a consolidação da pesquisa na área que agora será trabalhada pelo INCT-EECBio.

Também estiveram presentes na mesa de abertura, além da presidente da Fapeg, Maria Zaira Turchi, e da pró-reitora de Pesquisa e Inovação da UFG, Maria Clorinda Soares Fioravanti, o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Ivano Alessandro Devilla; o coordenador geral do INCT-EECBio, José Alexandre Felizola; o vice-reitor da UFG, Manoel Chaves; o diretor do Instituto de Ciências Biológicas, Augusto Figueiredo; e o professor da PUC Goiás, Nelson Jorge, representando a pró-reitora de Pós-Graduação e Pesquisa, Milca Severino.

INCT-EECBio
O INCT-EECBio tem entre seus objetivos compreender os padrões e processos relativos à origem e manutenção da diversidade biológica em diferentes escalas espaciais e em diferentes níveis da hierarquia biológica, permitindo assim que sejam adotadas medidas adequadas para a conservação e manutenção dos serviços ecossistêmicos.

A presidente da Fapeg, Zaira Turchi, destacou que este INCT-EECBio trata de temas extremamente estratégicos e reúne grupos de universidades brasileiras que se tornarão referência para o mundo. Para ela, se de um lado ter um INCT aprovado é de grande importância para levar Goiás ao cenário internacional atraindo olhares para o estado, por outro, o INCT ter encontrado uma Fundação sólida possibilitou a expansão da ciência.

José Alexandre

Coordenador geral do INCT-EECBio, professor José Alexandre Felizola. Foto: Ana Fortunato / Ascom UFG.

O coordenador geral do INCT-EECBio,  José Alexandre Felizola, explicou durante apresentação que serão 32 coordenadores de 20 instituições diferentes de todo o País discutindo sobre a biodiversidade, divididos em três grandes linhas de pesquisa: Padrões de diversidade em diferentes níveis de organização e escalas de tempo e espaço; Adaptação e evolução do nicho ecológico e mudanças climáticas; e Planejamento em conservação e uso sustentável da biodiversidade.

“O INCT é também um lugar de  interação entre os pesquisadores. Oportunidade para se conhecerem e trabalharem juntos”, enfatizou. Entre os objetivos e metas do INCT estão o apoio a projetos de pesquisa integrados, a consolidação de produções científicas integradas, a inserção internacional e a criação de um centro de referência para análise e avaliação da biodiversidade. A reunião continua nesta terça-feira, dia 6, quando oito Grupos de Trabalho apresentarão as ações para os próximos cinco anos.

Assessoria de Comunicação Social da Fapeg, com informações da Ascom UFG.

Posted in Notícias, Notícias FAPEG.