Fapeg participa do lançamento do Programa de Melhoramento Genético de Bovinos Leiteiros

Programa de Melhoramento Genético de Bovinos Leiteiros em propriedades rurais do APL Lácteo da Região de São Luís de Montes Belos – Produção e Transferência de Embriões

Foto: Sedi

O Governo do Estado de Goiás, por meio da Universidade Estadual de Goiás (UEG), lançou na última sexta-feira, 29, no Câmpus São Luís de Montes Belos, o Programa de Melhoramento Genético de Bovinos Leiteiros em propriedades rurais do APL Lácteo da Região de São Luís de Montes Belos – Produção e Transferência de Embriões.

O projeto, que é realizado pelo Centro de Biotecnologia em Reprodução Animal (Biotec|UEG) do Câmpus São Luís de Montes Belos junto com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), conta ainda com o apoio do Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR), Sedi, Emater, Seapa, Agrodefesa, Faeg, Sindileite, Senar, Sebrae, Itego, Funtec, além de cooperativas e prefeituras. O presidente da Fapeg, Robson Vieira, e o diretor Científico e de Inovação, Marcos Arriel, participaram do evento.

O Programa terá duração de três anos (2020 – 2022) e objetiva promover a difusão de material genético de bovinos leiteiros de alta qualidade, contribuindo com o APL Lácteo e no Estado de Goiás, além de gerar oportunidades para outros setores da cadeia produtiva láctea. O projeto também busca oferecer assessoria técnica para implantação de biotecnologias reprodutivas em propriedades rurais e proporcionar o intercâmbio entre instituições de pesquisa, ensino e extensão.

Robson Vieira no lançamento do programa melhoramento genético ueg

Foto: UEG

“São projetos como esse, que unem a pesquisa científica ao setor produtivo, a Universidade aos produtores locais, que motivam o governo a se empenhar em construir um novo futuro para a UEG”, afirmou o reitor interino da UEG, Rafael Borges.

O discurso de abertura da cerimônia foi proferido pelo professor Jarbas de Paula Machado, diretor com Câmpus São Luís de Montes Belos, que cumprimentou as diversas autoridades federais, estaduais e municipais, além de representantes de cooperativas e entidades privadas presentes na ocasião.

De acordo com José Joaquim Carneiro, coordenador da Rota Nacional de Integração do Ministério de Desenvolvimento Regional, espera-se com esse projeto, atingir entre 80 e 100 milhões de litros em cinco anos, movimentando cerca de R$130 milhões somente na área da produção, além da geração de diversos benefícios para as áreas da agroindustrialização, transporte, marketing, embalagens e todos os outros setores que estão vinculados à cadeia produtiva. “Isso é desenvolvimento regional, isso é geração de emprego e renda. Isso se transforma em renda direta para o produtor rural”, reiterou.

assinatura de fomentos biotec

Foto: Sedi

O presidente da Fapeg, Robson Domingos Vieira, afirmou em sua fala que a maioria dos projetos voltados para a área do leite são direcionados para o início e o fim da cadeia leiteira e a Fapeg, cuja filosofia é promover o desenvolvimento integral do Estado, busca soluções para os estágios intermediários da cadeia produtiva. “A gente resolveu juntar as pessoas para discutir toda a cadeia leiteira e criar soluções de médio-longo prazo que vão beneficiar o Estado pelas próximas décadas em termos de volume e qualidade do leite”, completou.

Durante a cerimônia também foram feitas as assinaturas simbólicas do fomento de mais de R$1,3 milhão da Fapeg para o Programa de Melhoramento Genético de Bovinos Leiteiros; do convênio para a aquisição de equipamentos para geração de nitrogênio; e do termo de aquisição de uma Unidade Geradora de Nitrogênio Líquido para o Biotec.

Fazenda Escola e Biotec

Na ocasião, as autoridades ainda visitaram a Fazenda Escola e a Sede do Biotec para conhecer suas instalações.

A Fazenda Escola conta com mais de 48 hectares, onde são desenvolvidas atividades de ensino, pesquisa e extensão relativas aos cursos de Medicina Veterinária, Tecnologia em Laticínios e Zootecnia, além do mestrado em Desenvolvimento Rural Sustentável.

visita fazenda escola

Foto: UEG

A Fazenda Escola conta com diversos setores e construções como o Laticínio Escola, Setor de Bovinocultura Leiteira, Setor de Bovinocultura de Corte, Setor de Ovinocultura, Setor de Avicultura, Setor de Piscicultura, Setor de Apicultura, Setor de Produção Vegetal, além de laboratórios e o Centro de Biotecnologia e Reprodução Animal (Biotec).

O Biotec realiza coleta, processamento e avaliações de sêmen de ovinos, bovinos e equinos, e atua como instrumento de pesquisa, ensino e extensão da UEG, na formação e capacitação de recursos humanos técnicos. O laboratório também atende os produtores de todo o Estado, em especial da microrregião do Vale do Araguaia.

Fonte: CeCom UEG

Posted in Notícias, Notícias FAPEG.