Fapeg leva a ciência para perto da população durante o Mutirão Iris Rezende

Print Friendly, PDF & Email

Nesta segunda edição do evento, o momento de popularização da ciência aconteceu com a presença do Projeto Empodera, de incentivo ao protagonismo de estudantes em situação de vulnerabilidade, a partir de pesquisas, como um ponto de partida para ações de enfrentamento às violências de gênero e desigualdades sociais

 

A Avenida Benedito Silvestre de Toledo, no Bairro Independência, em Aparecida de Goiânia, amanheceu diferente neste sábado, dia 11. Moradores do bairro e de regiões vizinhas  encontraram uma grande estrutura montada com estandes, tendas e galpões para abrigar as diversas ações e serviços gratuitos que o Governo do Estado preparou para a realização da segunda edição do Mutirão Iris Rezende Governo de Goiás.

Secretarias e autarquias do Governo se instalaram no Mutirão levando serviços nas áreas social, de educação, lazer, saúde, segurança, meio ambiente, entre outras, com o objetivo de interagir e facilitar o acesso da população aos benefícios que o governo oferece no dia a dia.

Ciência para a população

Equipes do Projeto Empodera – Meninas Cientistas entrevistam mulheres visitantes do Mutirão para trabalho de pesquisa científica

Aproximar a ciência da população também é um dos objetivos do Mutirão. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) convidou a equipe do Projeto Empodera – Meninas Cientistas, do Instituto Federal de Goiás (IFG Uruaçu)  para participar do evento. O Empodera conta com apoio da Fapeg por meio de um Termo de Cooperação que prevê a concessão de bolsas de iniciação científica júnior e de iniciação de desenvolvimento tecnológico e de inovação.

O presidente da Fapeg, Robson Vieira, vê a presença da Fundação no Mutirão como “uma oportunidade que o governo estadual promove para um contato próximo da população, para entender suas demandas e auxiliar na solução de problemas a partir do poder e da força da ciência e assim ajudar na construção de políticas públicas que contribuam para reduzir as desigualdades sociais”.

Robson Vieira explica que, o Projeto Empodera alia ações de ensino, pesquisa e extensão no sentido de estimular que estudantes do sexo feminino reconheçam seus potenciais nas diversas áreas do conhecimento a partir do contato com os procedimentos realizados em salas de aulas e laboratórios de ciências.  “O projeto ajuda a dar voz às meninas e mulheres em situação de vulnerabilidade em busca de equidade e respeito aos seus direitos por intermédio de ações de extensão e pesquisa”, relata o presidente.

Empoderamento feminino

Desde o início da manhã de sábado, a equipe do Projeto Empodera apresentava para o público presente no evento, as ações do projeto, distribuindo materiais confeccionados para fazer esta divulgação, e convidando as mulheres para responderem a duas pesquisas científicas.

Uma pesquisa tem por objetivo identificar quais são os caminhos para a autonomia, protagonismo e empoderamento na visão das mulheres. Na segunda investigação, a equipe fez um levantamento da situação da saúde menstrual das entrevistadas, que, para os integrantes do trabalho, envolve o acesso a direitos coletivos e políticas públicas, a exemplo do saneamento básico e da educação.

Governador Ronaldo Caiado visita estande da Fapeg

Ao todo foram 64 entrevistas sobre saúde menstrual e autonomia feminina; 1500 perguntas respondidas; 256 contatos diretos; e 150 estudantes representadas na ação.  O governador Ronaldo Caiado visitou o estande da Fapeg e foi recepcionado pelo diretor de programas e monitoramento, Vanderlei Cassiano, diretor científico e de inovação Marcos Arriel e o chefe de gabinete, Diogo Mochcovitch.

Para a coordenadora do Projeto Empodera e do Programa de Extensão Meninas Cientistas, a professora do IFG Uruaçu, Renatha Cândida da Cruz, “esses estudos são de grande relevância para a compreensão das realidades individuais e coletivas, além de orientar futuras ações da Equipe Meninas Cientistas no Estado de Goiás”.

Professora Renatha vê o Mutirão como um momento de popularização da ciência e de fortalecimento da educação pública

A professora Renatha vê o Mutirão Iris Rezende como “uma possibilidade de contato com a população de diferentes localidades, de conhecer suas realidades e de possibilitar a escuta das mulheres acerca de temas que permeiam suas vidas. Para nós, do Instituto Federal de Goiás, torna-se um momento de popularização da ciência e para o fortalecimento da educação pública. Quanto à Equipe Meninas Cientistas, vemos o evento como um incentivo ao protagonismo das nossas estudantes e, a partir das pesquisas, como um ponto de partida para ações de enfrentamento às violências de gênero”.

A segunda edição do Mutirão Iris Rezende Governo de Goiás aconteceu nos dias 11 e 12, sábado e domingo, na Avenida Benedito Silvestre de Toledo, esquina com a Rua 37, no Bairro Independência, em Aparecida de Goiânia. A cada edição do Mutirão, a Fapeg vai participar mostrando as pesquisas realizadas com fomento da Fundação, assim como oportunizando o acesso ao que é gerado dentro das instituições de ensino e na Fapeg. Na primeira edição, realizada nos dias 20 e 21 de novembro na região Noroeste de Goiânia, a Fapeg apresentou alguns resultados dos Centros de Excelência fomentados pelo Governo de Goiás, por meio da Fundação.

Assessoria de Comunicação da Fapeg

Posted in Notícias, Notícias FAPEG.