Ceia UFG obtém nota máxima na avaliação de resultados como unidade Embrapii

Print Friendly, PDF & Email
Ceia

Ceia fornece soluções em tecnologia para órgãos públicos e iniciativa privada. Foto: INF-UFG

O Centro de Excelência em Inteligência Artificial (Ceia UFG) obteve nota máxima na avaliação de resultados do seu primeiro ano como Unidade Embrapii. Em 2020, o Instituto de Informática da Universidade Federal de Goiás conquistou o credenciamento junto à Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) por meio de uma seleção pública nacional para a concepção da Unidade Embrapii Centro de Excelência em Inteligência Artificial.

Neste período de um ano, o Ceia passou por uma avaliação e obteve uma média final de indicadores de 100% do Quadro de Indicadores e Metas (QIM). Este tipo de avaliação foca na apuração dos resultados do período com sua ponderação pelos principais indicadores que subsidiam a avaliação da Embrapii frente ao seu Contrato de Gestão e execução financeira, explica o coordenador do Ceia, professor Anderson da Silva Soares.

A unidade Embrapii Ceia/UFG contratou R$ 15.706.321,72 em projetos de inovação e superou a meta inicial de cinco projetos, fechando o período com 17 projetos contratados. “Em termos financeiros, o desempenho foi de 2,3 vezes superior ao proposto, refletindo o expressivo número de projetos contratados,” destaca Anderson Soares.

Segundo ele, a avaliação aponta ainda o cumprimento de prazos e procedimentos para prestação de contas. Por fim, a avaliação indica a necessidade de aprimoramento e estruturação dos processos administrativos de modo a suportar o rápido crescimento do Ceia/UFG. O propósito do Ceia é promover, ainda mais, sua competitividade em escala global visando impulsionar parcerias para pesquisas e avanços científicos que revelem o potencial da inteligência artificial para soluções inovadoras de mercado buscando a competitividade e impactos econômicos e sociais. Como unidade Embrapii, o Ceia promove a união entre a academia (pesquisadores, professores e estudantes) e as empresas para a formação profissional e geração de soluções tecnológicas que favorecem o processo de desenvolvimento inovador do estado de Goiás e do País.

Apoio da Fapeg

Anderson Soares

Anderson Soares. Foto: Arquivo pessoal do professor

“O primeiro ano de credenciamento do Ceia como unidade Embrapii foi de superação”, define o professor Anderson Soares. “Na fase de concepção do Ceia, a direção da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) nos trouxe o desafio de credenciamento e da importância de tornar o Ceia uma unidade Embrapii. Naquele momento, sequer tínhamos conhecimento do que era a Embrapii e seu funcionamento. Após o sucesso da candidatura em um processo seletivo extremamente competitivo, nós fomos apresentados a um novo patamar de P&D que exige uma maior profissionalização das atividades de pesquisa. Tem sido muito desafiador buscar os níveis exigidos pela Embrapii, mas são níveis que estão nos levando à excelência, inclusive operacional”, destaca o coordenador do Ceia.

Para o professor, o credenciamento auxiliou na profissionalização da captação e gestão de projetos. “As metas que nos foram colocadas foram ousadas e nos sentimos desafiados em cumpri-las integralmente. Mesmo em tempos difíceis, com várias empresas com dificuldades financeiras em razão da pandemia, conseguimos avançar e intensificar as captações de recursos,” revela o coordenador do Ceia.

Como unidade Embrapii, os projetos desenvolvidos pelo Ceia contam com recursos da Embrapii, que financia até 1/3 do valor total com recursos não reembolsáveis e os 2/3 restantes ficam por conta da empresa que demanda o projeto.

Embrapii
A Embrapii é uma Organização Social privada sem fins lucrativos, qualificada pelo Poder Público Federal que apoia instituições de pesquisa tecnológica fomentando a inovação na indústria brasileira. Atua por meio da cooperação com instituições de pesquisa científica e tecnológica, públicas ou privadas, tendo como foco as demandas empresariais e como alvo o compartilhamento de risco na fase pré-competitiva da inovação. Ao compartilhar riscos de projetos com as empresas, tem objetivo de estimular o setor industrial a inovar mais e com maior intensidade tecnológica para, assim, potencializar a força competitiva das empresas tanto no mercado interno como no mercado internacional. Os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovações  e da Educação são responsáveis, predominantemente, pelos recursos da Embrapii, provenientes de contratos de gestão.

Assessoria de Comunicação da Fapeg, com informações do INF UFG

Posted in Notícias, Notícias FAPEG.